… o poema co…

•23/03/2012 • 2 Comentários

Imagem

o poema como eu quero

eu gosto da coisa real
centrada em si mesma
rica em efeito especial
lixa sob o fluir da lesma

uma puta poesia pura
água que pedra fura
alegria de mulher nua
lente no olho da rua

coisa de quem acha
e não de quem procura

antonio thadeu wojciechowski

•09/02/2012 • Deixe um comentário

NOITE DE LUA CHEIA

“oh lua, nunca te vi mais bela
linda assim você parece ela”

Duas e dez da manhã. Azul o céu se estica
até virar carvão, escuridão, pretume.
O sono deu lugar ao sonho de costume:
resfriar a paixão que o peito maçarica.

A Lua agora sai de trás da nuvem negra
e um pouco mais de luz me traz a paz e a calma.
A cal no tronco é dorso de uma estátua grega,
Vênus de Milo, no quintal, pedindo alma.

Centenas de centelhas piscam sem parar
e eu caminho entre as árvores com meus cachorros.
Eles olham pra Lua e começam a uivar,
como nos velhos tempos em que foram lobos.

Cães, como não amá-los, se tudo que querem
é nossa companhia, nosso amor e afeto?
Abraço-os, acaricio-os, pra que não se alterem
com a força da Lua e seu poder magnético.

Um começo de frio acaba com a festa,
me recolho e me vejo cheio de esperança.
Ser teu, minha poesia, em noite de seresta;
ser o teu par na honra de uma contradança.
.
A madrugada avança e o dia não falha,
meu amor se espalhou em versos enluarados
sobre a página pálida que me agasalha.
Acho que agora, Lua, estamos conversados.

antonio thadeu wojciechowski

•27/01/2012 • 1 comentário

.

na batida do pandeiro

disse ontem digo hoje
cabra ruim é no cabresto
quem quiser que faça pose
e se benza com João VI

muita coisa vi rolar
mas não vi assombração
sou de paz e vou pro bar
vou encher o caveirão

se você que é meu amigo
paga a conta e vai embora
pela sombra eu não te sigo
mais feliz me sinto agora

passa a noite passa o dia
até passa o meu amor
se ela diz que não queria
dá licença, por favor

se disser que eu facilito
silabando só em sete
a peixeira puxo, agito
faço furo a canivete

ser poeta é bem maior
lá do céu que vem o dom
se me julgam o menor
eu insisto e fico bom

sou da turma dos contentes
na viola ou no verso
pra terror dos descontentes
sou um deus e sou perverso

quem quiser ouvir se abanque
pois o show vai começar
que ninguém a porta tranque
não é fim quando acabar

no meu verso não respeito
nem anel e nem nobreza
essa dor é do meu peito
e é também minha riqueza

deixo o dito por não dito
se vier conversa mole
quem disser que está escrito
vá embora, não me amole

se o verso vai e vem
olhe bem pro coração
ele é tudo que se tem
quando a gente tem razão

comecei e terminei
na batida do pandeiro
já cantei tudo que sei
se divido fico inteiro

pra quem fica digo adeus
pra quem vai que fique em paz
se não sei quem são os meus
tanto fez ou tanto faz

com amor, não vou sozinho
desde os tempos de rapaz
eu conheço seu caminho
mas voltar não volto mais

antonio thadeu wojciechowski

•27/01/2012 • Deixe um comentário

Um sonho dentro do sonho

Tome este beijo em tua testa!
Me despedir é o que me resta,
além de aparar as arestas.
Você não erra, quando diz
que só no sonho sou feliz.
Mas se a esperança me abandona
de noite ou de dia, é o de menos,
a vida não é uma zona?
O que vemos ou parecemos
é só um sonho dentro do sonho.

Nas costas, vagas batem, rugem,
como se dissessem “derrubem!”
Mas eu mantenho em minhas mãos,
da areia dourada, alguns grãos.
Quão poucos! Como meteoros
somem, somem entre meus poros,
Enquanto eu choro, enquanto eu oro!
Ó Deus! Eu não posso entender,
por que assim tudo tem de ser?
Ó Deus!, é possível salvar
um grão da impiedade do mar?
Ou o que sou, sinto e proponho
é só um sonho dentro do sonho?

Edgar Allan Poe

Por Antonio Thadeu Wojciechowski

UM SONHO

Andando, ás cegas pelas ruas, eu vi
visões do amor, tateando, às escuras,
mas um sonho de luz, sem amarguras,
desviou meu coração e eu me perdi.

Que sonho eu não teria se em meus olhos,
em vez de escuridão e passado,
visse meu ser pulsando feito um raio
ressuscitando meus próprios miolos?

Aquele sonho, como por encanto,
alegrou-me e deixou-me vigilante,
enquanto ria de mim toda a humanidade.

Que importa o relâmpago ofuscar tanto?
O que poderia ser mais brilhante
se, em plena luz do dia, luzia a verdade?

Edgar Allan Poe

Por Antonio Thadeu Wojciechowski e Ivan Justen Santana

•22/01/2012 • 1 comentário

DEUS AMOR
.

o que sentes é teu, de mais ninguém,
por estar dentro, nada interfere
somente o pensamento que se insere
renova o sentimento e vai além
.
a lágrima que cai é tua também

vem de algum argumento que fere
mas podes trazer luz e a um só ampere
todos os anjos dizerem amém
.
é por amor que existem tantos deuses
que ciciam bendições e berceuses
em teus ouvidos surdos aos apelos
.
da razão e do mundo material

é que o amor só quer ser imortal
pelas peles e poros, pelos pelos

antonio thadeu wojciechowski

•18/01/2012 • 3 Comentários

SÓ VOCÊ MESMO

por que estás o dia inteiro em minha mente?
penso mil coisas, falo, faço e aconteço
não tenho tempo pra ser menos do que gente
essa burrice vem comigo desde o berço:
paixão vem a galope, basta uma resposta
e ela já não esconde o que não me mostra

feita de luz, apaga a vista e escurece
por ser calor e descoberta , calafria
igual tão diferente, ela até parece
quando à noite faz sol com luz de meio-dia
se prende, pago a pena sem haver sentença
sem ao menos saber se o crime não compensa

prisioneiro dos sons que emite, eu a imito
liberto das correntes só penso em voltar
é que aos seus olhos eu pareço tão bonito
que dá tristeza ver o espelho se quebrar
ela é o poema: tudo e mais um pouco
quando estou sóbrio mas completamente louco

olho e não posso ver, se toco não é mais
sei que me resta o coração aos sobressaltos:
a vítima que aceita os crimes e os assaltos
e sofre sem deixar de pedir bis jamais
mas tudo só porque, ao vê-la, eu existo
e no papel nem tudo ainda está escrito!

antonio thadeu wojciechowski

duchamp_nude2

•05/01/2012 • Deixe um comentário

duchamp_nude2

POEMA PARA UM DIA CINCO DE JANEIRO QUALQUER

agora que estou te deixando meio de lado
não me venha com o diabo carregado
minha solidão era o paraíso perdido
que um dia deixei num canto esquecido

o dia é longo e o tempo passa devagar
o silêncio também é jeito de dialogar
hoje é um bom dia como outro qualquer
não me traga semanas quando você vier

estou velho demais pra minha idade
séculos, milênios me deixaram à vontade
restou esse poema de ossos aquecidos
onde sonham de volta amores perdidos

escrever até o corpo inteiro sangrar
e descobrir que a mão não consegue parar
morrer – este é o único e definitivo texto
viver – o que eu arrumava de pretexto

antonio thadeu wojciechowski

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 25 outros seguidores